quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Gurum Compondo com os sentimentos

Formada em Rio Grande/RS, em 2014 por Emmanoel Ximendes, o Gurum é um projeto solo de Depressive Suicidal Black Metal. Ainda em 2014, o Gurum deu vida a uma Demo e um EP “Let my Thoughts Destroy Me”.

HMAN: Por que apostar em um projeto solo? Você teve experiência em outras bandas?
Emmanoel: Apostar em um projeto solo foi ótimo pra mim, não precisei depender do baterista, guitarrista ou baixista faça a linha que você imagina, e que o som não saia com a atmosfera desejada. Quando se tem algo só seu é tudo do jeito que você quer, que você imagina e que você faz, o famoso "Do it yourself". E sim, já tive experiência em outras bandas, de gêneros tanto no Black Metal quanto fora dele, por isso optei fazer algo sozinho, para não depender dos outros, não se preocupar se vai sair bom ou não, se vai ficar como você quer ou não. É ótimo ter bandas com outras pessoas, mas eu só consegui passar o sentimento que eu queria nas músicas assim, pude fazer tudo do meu jeito, desde um riff até a mixagem de som.

HMAN: Algum lançamento do Gurum chegou a sair no formato físico ou somente digital? Você chegou a buscar selos para lançamentos?
Emmanoel: Dá minha parte infelizmente só saiu digitalmente, mas uma distribuidora alemã chamada Winterwolf Records fez algumas cópias para distribuir por lá, mas até hoje "minhas cópias não chegaram", (talvez nem enviaram). Eu não cheguei a procurá-los, eles me mandaram uma mensagem perguntando se eu gostaria. Mas, se tudo der certo, o próximo trabalho do Gurum vai sim sair em formato físico e digital, talvez não com um selo, mas sim por conta própria.

HMAN: Como tem sido a aceitação do projeto? Mesmo com apenas lançamentos no formato digital?
Emmanoel: Não está 100% como eu gostaria que estivesse, a tempos penso em lançar em formato físico, em ter apoio de uma label com a divulgação e venda. Mas infelizmente não consegui ainda, falando agora na aceitação pelos curtidores e ouvintes, muitos perguntam se vai ter cópias físicas ou não para vender, admiro muito isso e fico bem feliz em saber que se tivesse, gente iria comprar. Uma das coisas que menos me interesso com ele é dinheiro, todo o trabalho feito até então, as noites gastas gravando ou mixando, valem a pena mais por ver que tem gente que curte, apoia e elogia o som, usando uma camiseta com o logo estampado ou até mesmo me procurar para elogiar. Isso vale muito!

HMAN: Como você ve o DSBM no Brasil, e de alguma forma o underground está saturado de bandas de DSBM?
Emmanoel: Ao ver, o DSBM não é algo muito bem visto ou apoiando no Brasil. Existe quem apoia e existe quem odeia e crítica, como em todos os outros gêneros, mas o DSBM no Brasil não é muito forte, apesar de termos excelentes bandas, tem muita gente que não se interessa por algo "pequeno", parece que só apoia algo que já está "maior", com isso, muitas ótimas bandas que vejo por ai acabam morrendo ou ficando no mesmo lugar. Nós temos muitas bandas boas do gênero no nosso cenário Underground, porém tem muitas "iguais". Acho que começa a ficar saturado quando as bandas começam a fazer sons quase identicos, ou tentar fazer o som "de outra banda", acho que o DSBM tem que soar como algo próprio seu, algo que escutem e saibam direto apontar de que banda é o som. Na minha opinião, é claro.

HMAN: O que te inspira na hora de compor e criar os arranjos? O que é o Gurum, para você?
Emmanoel: Eu sou muito chato para compor, eu demoro muito para lançar uma música ou mais ainda um álbum ou EP. Eu gosto de tudo ao mínimo detalhe de como quero, não consigo pegar a guitarra para tentar compor algo se não estou "inspirado" pra passar algo negativo ou não na música. Tem vezes que começo uma música e demoro semanas para conseguir voltar a mexer nela. Mas o que geralmente me inspira a compor é o sentimento que estou sentindo no momento, se estou triste, tenho inspiração pra riffs tristes, com raiva saem riffs mais agressivos. Mas ouvir outras bandas também ajudam muito a entrar no clima. O Gurum pra mim é uma das melhores formas de me expressar ou desabafar, se não a melhor. Pra mim nunca foi só um projeto, sempre fiz o máximo para colocar 100% de mim nele, sempre fiz o máximo pra cada detalhe ficar do jeito que eu imaginei. Espero conseguir passar para os outros o sentimento que imaginei ou estava sentindo no momento de compor, se eu consigo fazer isso, acho que meu objetivo foi comprido.

HMAN: Deixo aqui um espaço para as suas considerações finais!

Emmanoel: Bom, queria começar agradecendo pela ótima entrevista, é bom demais receber uma oportunidade assim, dá muito ânimo em continuar compondo, gravando e tudo mais... Mas também queria agradecer muito a cada um que apoia o Gurum, de qualquer forma possível, acho que o projeto não teria chego nem na metade de onde chegou se não fosse por vocês. Já comecei a trabalhar no novo álbum e esse espero lançar em um estúdio, com uma qualidade melhor e em formato físico também. Não tenho data prevista para o lançamento, mas posso afirmar que até o fim do ano saí. Enfim, muito obrigado!




Links Relacionados


por Artur Azeredo

Nenhum comentário:

Postar um comentário