segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

10 Lançamentos para coroar 2015

Não considere essa lista um Top 10, mas sim um apanhado dos melhores discos lançados em 2015, e que foram resenhados pelo Heavy Metal All Night. Sem estabelecer uma ordem de preferência, mas primando pelo conjunto da obra, dês de a produção, parte gráfica e a sonoridade.


Terceiro full-length dos paulistas. A bolacha apresenta um Death/Black Metal de muita qualidade, abusando de passagens melódicas, mas sem perder o peso e a brutalidade. Disco visceral, rápido e conciso, com faixas cuidadosamente trabalhadas e executadas.


Segundo full-length dos catarinenses. O trabalho conta com a produção da própria banda e de Roger Fingle, que também ficou a cargo da mixagem e masterização. A belíssima arte gráfica é do Gustavo Sazes. O disco trás um Black Death Metal vigoroso, com uma sonoridade encorpada, violenta e muito bem trabalhada.


Quinto full-length dos veteranos do Mythological Cold Towers. A banda destila seu Doom/Death Metal com muita classe, composições arrastadas, absurdamente soturnas e atmosféricas. Tem bandas que conseguem fazer verdadeiras obras primas, “Monvmenta Antiqva” soa assim, na medida, Doom Metal para ninguém colocar defeito. Disco bem encorpado com faixas bem trabalhadas e ambientadas.


Segundo full-lenght dos veteranos do Spartacvs, com 30 anos de estrada a banda gaúcha mostra em “Imperivm Legis” que ainda tem muito a acrescentar ao Heavy Metal brasileiro. O trabalho em si aborda temas reflexivos cotidianos, como a solidão a sede de justiça, enfim o que espanta é a melodia e como tudo se encaixa em cada faixa.


Primeiro full-lenght dos gaúchos. O disco apresenta uma sonoridade intensa, rápida, com passagens certeiras, cadenciadas, perfeito para um bate cabeça. A produção é um destaque a parte, trabalho sonoramente impecável. Com este lançamento a Dyingbreed mostra a que veio, e se firma com um dos principais nomes do Death Metal gaúcho na atualidade.


Quinto full-length dos paulistas. A produção do disco ficou na medida, deixou o trabalho conciso, uma verdadeira unidade sonora. Agonizante, denso e arrastado este é “Journey through endless storms”, mais um excelente registro da discografia do HellLight.


Segundo full-length da banda paulista. O disco trás uma sonoridade que vai além do Black ou do Death Metal, mas usa desses elementos extremos e até tradicionais, para construir algo unico, destilando o caos em cada faixa.


Sexto full-lenght dos gaúchos da Distraught. Disco encorpado com musicas bem trabalhadas, destaque para as passagens de bateria, e os riffs e solos grudentos da dupla Ricardo Silveira e Everton Costa. As transições cadenciadas se fazem presente em praticamente todas as composições, ora melódicas e mais “calmas”, ora rápidas e agressivas.


Segundo full-length dos veteranos cariocas do Castifas. “Bloodlust and Hate” trás em sua essência um Black Metal com uma atmosfera caótica e demoníaca. Cru mas bem trabalhado e ambientado, as faixas formam uma verdadeira unidade sonora. Hora com certa cadencia o que deixa ainda mais agonizante a sonoridade, hora rápido e bruto.


Primeiro disco de inéditas dos gaúchos da Exterminate. Excelente registro, conciso, uma verdadeira parede sonora. A produção ficou na medida cristalina, deixou tudo limpo sem perder o peso e a agressividade. 

por Artur Azeredo

Nenhum comentário:

Postar um comentário