quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Do disco físico a música digital

O MP3 tem sido o calo no pé do CD. Quando a musica digital surgiu lá no inicio dos anos 2000. Mal sabia eu o que era mp3, mas rapidamente descobri os benefícios, a facilidade e a abrangência dos CD’s digitais. Com a expansão latente da internet, redes sociais, sites de compartilhamento de arquivos, vulgo download. O MP3 ganhava um patamar assombroso, com esse crescimento exponencial. O CD físico acabou perdendo força.

Mesmo com esse crescimento as bandas não se restringiram a lançar seus trabalhos somente no formato digital, o CD continuou a ser utilizado. A musica digital virou ferramenta de marketing e o CD continuava vivo. O MP3 cresceu rápido foi uma revolução no meio musical, mas com a sua disseminação uma aura se perdeu, o contato físico com a musica, abrir um encarte, observar a arte, ler as letras, isso tudo ficou de lado.

A reprodução e difusão em massa do MP3, facilitou o contato e trouxe ao conhecimento muitas bandas que não teriam condições de gravar um disco. Bandas independentes passaram a ganhar espaço divulgando seu trabalho livremente pela internet, e assim atingindo um publico maior e até chegarem a um selo e lançar seu trabalho.

No dia 27 de julho uma nota no facebook da Hellion Records, preocupou o publico Headbanger. Na nota oficial o selo que está a 25 anos no mercado fonográfico brasileiro comunicou o fechamento da sua loja física na, cultuada, Galeria do Rock em São Paulo. A noticia preocupou mas no comunicado a loja afirma que não era o fim da Hellion apenas saíram da Galeria por conta do alto aluguel, e continuariam a atender on line e pelo seu escritório na Zona Sul de São Paulo.

Mesmo assim fica a duvida, será que o fim do CD está próximo, é quase utópico afirmar isso, que nem o fim do jornal impresso. Pouco provável que isso aconteça, enquanto existir um publico fiel e bandas de qualidade, a aura mística envolta no disco físico não ira acabar.

Um exemplo é o que acontece no underground, fora do foco da grande mídia. Com a internet e todos os seus beneficio, ocorreu um fortalecimento da cena, pelo menos em partes. Se antes a comunicação por correspondência era demorada agora é instantânea, o que demorava dias agora é em minutos, horas.

Com isso Selos e distros continuaram a lançar discos, com a comunicação mais fluida, os frutos começaram a aparecer. Hoje existe uma verdadeira união em beneficio de um lançamento, certo também que nem tudo são maravilhas. Mas isso prova que enquanto tiver um publico fiel e bandas de qualidade, e comprometimento de ambos em prol de um objetivo, essa chama e aura mística do disco físico, nunca se acabara.

Então, deixe de mimimi e apoie a cena, adquira camisa, CD's, vá a eventos, prestigie, não seja um parasita digital!

Por Artur Azeredo

Nenhum comentário:

Postar um comentário