quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Përgamo Fiel a sua proposta

Entre idas e vindas o Përgamo, horda gaúcha de Raw Black Metal, foi fundada em 2011. Tendo em sua discografia uma demo e um EP “Habitantes da escuridão” ambos gravados no final de 2014 e lançados em 2015. A horda prepara-se para lançar ainda em 2015 seu segundo EP intitulado “Soberano”.

HMAN: Como aconteceu a formação do Pergamo e a estruturação da sonoridade?

A primeira formação era reunião de um projeto que havia adormecido, a qual se manteve por mais ou menos um ano e meio. Logo em seguida tivemos idas e vindas realmente até fixar a formação atual e gravar o material que estava sendo planejado há mais de uma ano.
As influencias vieram das hordas nacionais como Luxuria de Lilith, Amen Corner, Hecate, Velho  também as pioneiras do gênero como Venom, Hellhammer, Mayhem, Darkthrone e não esquecendo projetos Black Crust como Gallhammer, Iskra e até mesmo o já citado Darkthrone e Venom que valorizam muito essa sonoridade crua e reta com a valorização MetalPunx na raiz verdadeira do gênero Black Metal, deixando de lado as diferenças musicais e ideológicas para lutar contra o dogma religioso! Uma influência também de peso na formação musical dos membros foi a temática pesada do velho Black Sabbath.
A idéia sempre foi criar sem se espelhar muito em músicas ou álbum de bandas, seguindo somente nossa revolta como padrão estético e musical.

HMAN: A horda trás uma temática “anti-human” como vocês definiram isso? Como chegaram a esse termo?

Mostrar que o humanismo é hoje uma figura vazia de expressão, que a humanidade não faz mais parte do reino animal nem da natureza.
Tornamos nossa existência quase completamente insignificante para o planeta e suas raízes. Aversão total as culturas humanas como a ignorância religiosa(seja pagã ou cristã) e “civilizada”.
A intenção é desconstruir os dogmas que nos impulsionam somente a obedecer e esquecer nossa verdadeira natureza. A fé não é falada, não tem nome, templo ou costumes... Isto se chama religião e não toleramos como parte do gênero. Escrever é o ocultismo perfeito para o tema, porque poucos entendem o real significado das letras!

HMAN: Em 2014/15 o Pergamo lançou seu primeiro registro o EP “Habitantes da escuridão”. Como a horda vê esse registro, como ele tem repercutido no underground?

O underground! Nem sempre pode-se chamar assim, pois maioria do tempo é um grupo de pessoas que só quer se aparecer e apelar, não conhecem nada e criticam tudo, além de não apoiar em nada outros cenários por serem extremistas se dizem verdadeiros guerreiros dos movimentos.
E felizmente tivemos melhor desempenho do EP só com o pessoal que curte o velho metal negro e suas vertentes raízes. Tivemos apoio do Winterwolf Records da Alemanha para lançar e distribuir nosso EP.
 Não falamos em satanás com clichês de nudez e freiras prostitutas, mas avaliamos que o publico nacional valoriza muito mais essas hordas que muitas vezes fazem apologia até mesmo ao  extermínio da vida por questões ideológicas. O problema não é nem a temática e sim levar tudo isso a sério.

HMAN: O que podemos esperar de “Soberano” EP que está para ser lançado?

O esforço e empenho está muito maior e melhor! O EP retrata a ganância humana e a busca pelo poder acima de tudo e todos, envolvendo a religião e a mídia como exemplos de soberania(manipulação) sobre seu rebanho.

HMAN: O Black Metal assim como outros gêneros dentro do Heavy Metal, com o passar do tempo foram ganhando mais ramificações. Como você avalia o Black Metal atual executado por bandas de renome? Se perdeu a aura e a proposta inicial?

Parece uma questão generalizada na pergunta, bem difícil de responder brevemente.
Algumas dessas hordas sim, até porque com o passar dos anos, a exploração de novos temas, surgimento de novas vertentes ao gênero e muita mudança de formação dentro de cada banda... a tendência é evoluir para a imensidão negra do metal.
Perde-se um publico e se ganha  outro, deve-se ser fiel a si mesmo primeiramente e não fazer as músicas para vender ou agradar!

HMAN: Qual a opinião de vocês sobre o Nacional Socialismo dentro do Black Metal no Brasil?

Politica partidária, extremismo , preconceitos étnicos e de gênero sexual principalmente no Brasil é coisa de babaca e ainda por cima cristão pregador da palavra!
Não somos um povo ariano, e esses nazi-fascistas não sustentam nem índios, negros, homossexuais ou judeus para dizer o que fazem da suas vidas. São todos livres e maioria, com suas diferenças étnicas ou culturais, fazem muito mais pelo país em que vivem do que esses radicalistas com uma privada cheia de bosta na cabeça.

HMAN: Como vocês veem o atual momento do underground com relação ao Black Metal, existem muitas bandas que levam a serio a real proposta da sonoridade, ou a maioria é so fachada?

Não gostamos muito de falar sobre, já citamos muito relações a essa resposta nas outras perguntas. Como dizemos o gênero tem muitas vertentes e nem todas estão nas raízes ou valorizam o verdadeiro metal negro, a contracultura RAW é bastante valorizada por não ser fonte de abordagem apelativa e clichê.
Mesmo que tenhamos temática e postura, somos fieis e não fechamos os ouvidos para todas vertentes no metal e nem ouvimos só metal, não precisamos provar nada a ninguém nos dizendo true.
Muitas hordas nacionais, principalmente o Luxuria de Lilith e o Velho  levam muito a sério o movimento metal negro e inspiram nossa caminhada.

HMAN: Deixo aqui um espaço para a horda fazer suas considerações finais!

Agradecemos a oportunidade de fazer parte de mais um autentico registro do underground nacional. Ainda este ano estaremos com o EP Soberano disponível em áudio e vídeo!

Mantenham contato pela página do facebook da horda Përgamo ou Diabrura Distro.



Links Relacionados


por Artur Azeredo

Nenhum comentário:

Postar um comentário