quinta-feira, 25 de junho de 2015

Mythological Cold Towers Mantendo a essência

Desde de 1994 na ativa o Mythological Cold Towers é sem duvida nenhuma um dos maiores representantes do Doom Metal brasileiro. Com mais de 20 anos de estrada a banda chega ao seu quinto disco de inéditas “Monvmenta Antiqva”, saiu em abril, recentemente a banda disponibilizou uma das faixas para audição.

HMAN: Conte-nos um pouco da trajetória do Mythological Cold Towers, nesses 20 anos de estrada.
Fábio Shammash: A banda iniciou seus trabalhos em 1994, com a proposta de executar um Doom Metal épico que contasse as sagas de antigas civilizações e seus feitos. O primeiro álbum foi lançado em 1995, intitulado “Sphere of Nebaddon” e teve uma ótima repercussão no mundo inteiro por apresentar um Doom/death sombrio e desolador, vindo de uma país que não tinha muita tradição neste estilo.  Em 2000, foi lançado pela Somber Music, o segundo álbum, "Remoti Meridiani Hymni", dando inicio a trilogia sobre civilizações pré-colombianas.  O Terceiro álbum, "Vanished Pantheon", sai em 2005 pelo selo finlandês  Firedoom Music e no Brasil pela Somber Music, trazendo uma sonoridade mais cadenciada e barbárica originada no segundo álbum. Em 2011, é lançado o quarto álbum, "Immemorial", findando a triologia e dando inicio a uma sonoriadade voltada aos primórdios da banda e das raízes do verdadeiro doom/death,  melancólico, soturno mas, mantendo a característica épica dos álbuns anteriores. O álbum teve uma ótima aceitação pelo mundo afora, ocasionando em uma tour pela Europa e Brasil, obtendo boa audiência. Em abril deste ano, é lançado o novo álbum, "Monvmenta Antiqva", apresentando uma sonoridade mais lenta que o álbum anterior e uma gravação mais polida, cujas letras abordam nosso fascínio pela cultura clássica antiga.

HMAN: A banda sempre primou pela qualidade de seus lançamentos, visto o intervalo de tempo entre cada um. Como funciona esse processo, até um trabalho ganhar forma?
Shammash: O processo realmente é demorado, pois como prezamos pela qualidade sonora, conceitual e artística, é natural que haja um tempo hábil para a concretização do trabalho. Não há um período definido para compor e produzir. Apenas deixamos as coisas acontecerem e fluírem naturalmente até ganhar forma e sentirmos que é hora para finalizar a obra. As composições normalmente são criadas pelo guitarrista Nechron e na medida em que ensaiamos e gravamos, a musica vai passando por diversas transformações até ficar grandiosa.



HMAN: Em abril a banda lançou seu quinto disco, “Monvmenta Antiqva”, para divulgar este trabalho, vocês liberaram uma faixa para audição. Como tem sido a receptividade desse material? Qual o feedback com relação as novas musicas?
Shammash: Até o momento, tivemos uma boa receptividade e está vendendo bem. Nossos fãs sempre aguardam nossos lançamentos com grande entusiasmo e sabem que seguimos a mesma proposta desde o inicio, então, dificilmente se decepcionarão. As pessoas tem nos reportado positivamente a cerca das músicas novas, dizendo que estão mais sublimes.  

HMAN: Em 1996 a banda lançou seu primeiro full-lenght “Sphere of Nebaddon: The Dawn of a Dying Tyffereth”, o que esse disco representa hoje para o Mythological Cold Towers?
Shammash: Como disse anteriormente, foi um álbum que marcou não só na cena underground no Brasil como no exterior. Ninguém esperava que  sairia uma banda de Doom/death, num país que tem a tradição voltada mais ao death, black e thrash.  Uma banda com um nome estranho causou certa curiosidade e a gravação soberba do álbum ajudou também na difusão do nome e se tornou muito aclamado. Hoje, trata-se de um item fora de catálogo e muito procurado.

HMAN: O Doom Metal brasileiro sempre revelou, grandes nomes, mas alguns ficaram pelo caminho, outros retomaram suas atividades. O ponto é, a que se deve a longevidade do Mythological Cold Towers, como sobreviver, sem perder a qualidade?
Shammash: Talvez seja pelo fato de que nunca seguimos nenhum tipo de tendência e sempre fomos fieis à nossa proposta. Sempre fomos perseverantes em manter nossa essência, fazer o que gostamos e prezar pela qualidade de nossas músicas e concepções artísticas e líricas. Nossos velhos fãs e aliados reconhecem essa nossa luta e trajetória, tanto que nos acompanham até hoje.

HMAN: Há vinte anos na cena como vocês veem, não apenas o atual momento da cena, mas a evolução que de certa forma a internet proporcionou ao underground.
Shammash: Sempre vimos a internet como uma ótima ferramenta para divulgação e facilitação. Através dela, conseguimos estreitar os laços entre os fãs, bandas e o público em geral. Ou seja, ampliamos mais os contatos e trabalhamos de forma mais eficiente na divulgação.

HMAN: Quais os planos da banda para 2015? Sai uma tour de divulgação pelo Brasil? O Rio Grande do Sul estaria nos planos?
Shammash: Por enquanto estamos divulgando o lançamento do CD e seguindo com as vendas do mesmo. Temos planos de relançar o primeiro álbum mas isso depende das vendas do Monvmenta Antqva. Por enquanto, temos em vista, uma apresentação em Santa Maria, RS, em novembro e possivelmente em Porto Alegre no mesmo período.

HMAN: Deixo aqui um espaço para as considerações finais da banda!
Shammash: Agradecemos pelo grande apoio espaço cedido no site Heavy Metal All Night. Valeu e esperamos nos ver em breve em algum show. Abraços.



Links Relacionados



Por Artur Azeredo

Nenhum comentário:

Postar um comentário