sexta-feira, 15 de maio de 2015

Infamous Glory "tocando e tomando cerveja..."



Banda de Death Metal de São Paulo, formada em 1999. Apesar de já ter uma estrada, a banda lançou seu primeiro full-lenght somente em 2013, “Bloodfeast”. Até então a banda já havia lançado algumas demos e EP’s e participado de um Split. O que não impediu o Infamous Glory de abrir show para, Dismember em 2008 e Master em 2010.
HMAN: O Infamous Glory foi formada em 1999, mas só em 2013 saiu o primeiro full-lenght. Por quê?


Kexo: Na moral, foi um misto de mudanças de formação, alcoolismo e preguiça hahaha. A banda demorou muito para estabilizar com uma formação. Só em 2004, quando tentamos gravar nosso primeiro disco. Mas esbarramos nos nossos próprios limites e o resultado ficou uma porcaria. Tanto que nem lançamos o disco. Fizemos um EP com metade das músicas que prestaram dessa sessão de gravação. Esse EP, mesmo em CD-R, nos ajudou muito na época e começamos a tocar mais ao vivo e entrar de vez pro rolê. Aí entra a preguiça, só fomos gravar de novo em 2009, um outro EP. E então o lançamento do nosso primeiro cd oficial, "Deathstrike Revenge" contendo os dois EP's " Order of Doom" (2005) e "Will To Dismember"(2009). A partir daí deixamos a preguiça de lado e voltamos a trabalhar no que viria a ser o "Bloodfeast".


HMAN: A sonoridade do Infamous Glory remete muito ao Death Metal praticado pelas bandas Suecas do inicio dos anos 90. Como chegaram até esse resultado, o que os influenciou?


Kexo: O que nos influenciou foram as bandas de death metal dos anos 90, não só as suecas. O papel crucial da Suécia nessa equação é no timbre da guitarra. Sempre piramos naquele timbre "serra elétrica" do Dismember, Entombed, Carnage e afins. Quanto pintou por aqui o primeiro disco do Bloodbath a gente ouviu e ficou louco. Daí Junera, nosso guitar na época deu a letra do grande HM-2 da Boss, que foi o pedal usado por essas bandas. Quando a gente abriu o show do Dismember em 2008, fomos falar com eles no camarim e o próprio Blomqvist disse que era só atolar o HM-2 no máximo que o death metal prevaleceria! Mas com certeza não bebemos apenas das bandas suecas.


HMAN: Em 2005 a banda lançou seu primeiro EP “Order of Doom” como você ve esse material? Ainda tocam alguma musica dele ao vivo? 

Kexo: Cara, eu adoro as músicas. Mas o problema dele hoje é o mesmo da época, e o porque ele não foi nosso primeiro disco. A gente era muito cabaço, não estávamos bem ensaiados e não tínhamos muito conhecimento dos nossos próprios limites como músicos. Então tem muita coisa errada ali, que foi mau executada na época. Ou que poderia ser melhor encaixada no som. Sem falar de coisas da mixagem mesmo que a gente podia ter feito diferente. Mas mesmo assim eu adoro esse EP, curto de mais as músicas. E sim ainda tocamos uma ou duas dele ao vivo de vez em quando.


HMAN: “Bloodfeast” é o lançamento mais recente da banda, como foi a repercussão desse trabalho? Ele foi distribuído somente no Brasil? 

Kexo: Olha, o que eu escuto por aí é que o pessoal curtiu bastante o disco! Não acompanho muito resenhas pela internet, ou as vendas, mas sei que conosco o cd ta praticamente esgotado. Estamos até estudando talvez fazer uma nova prensagem dele. Acho que isso quer dizer que a repercussão foi boa heheheeheh. E sim ele foi distribuído só no Brasil. Salvo algumas cópias que a gente manda pros conhecidos doidos lá de fora. Mas não teve nenhuma distribuição oficial fora dos limites nacionais não. 

HMAN: Você costumam compor com frequência? Já tem algo encaminhado para um novo trabalho? O que podem nos adiantar? 

Kexo: Costumava quando era mais novo. Hoje em dia nem tanto. Infelizmente perdi aquele costume de sentar em casa com a guitarra e ficar tocando riffs. Mas tentamos trabalhar por demanda, precisamos fazer tantos sons. Ai sentamos e vamos fazendo aos poucos. Vamos lançar agora por esses dias um 7"ep com 4 sons novos. E estamos compondo músicas pro próximo disco ja. Falta um bocado ainda, mas estamos a caminho. 

HMAN: Os primeiros lançamentos da banda saíram de forma independente? “Bloodfeast” saiu através de uma junção de selos. Qual a importância dessa verdadeira união, em prol de um lançamento? 

Kexo: Sim foi tudo totalmente independente até o "Deathstrike Revenge" que ja foi um conglomerado de selos. E essa união é importantíssima! Todo mundo ajuda todo mundo. Só assim faremos um underground forte. 

HMAN: Nos últimos dias vimos um alvoroço nas redes sócias graças há um exercito formado por jovens fiéis da igreja universal. Isso mostra a força e a ascensão de algumas religiões no Brasil. Como você ve essa onda religiosa? 

Kexo: Isso não é uma onda religiosa, é apenas a religiosos agindo como religiosos. Acho tudo isso uma bosta completa. Quero se fodam todos.


HMAN: Vimos um aumento considerável de shows internacionais no Brasil este ano. Qual sua opinião sobre isso? Isso de alguma forma acaba interferindo na cena local? 

Kexo: De maneira nenhuma, acho ótimo. Quanto mais shows, mais gente pra se juntar tomar cerveja e ouvir som. Acho que não interfere em nada o role underground. Quem cola no role não vai deixar de ir porque tem um monte de banda gringa vindo pra cá. E quem não costuma colar no underground não vai colar menos ou mais por causa de um show gringo. Acho que não tem nada a ver. E tem outra, os produtores de shows gringos de grande porte, não são os mesmos do underground. Então uma coisa não afeta a outra. O que é bom é que temos gente do underground também trazendo bandas gringas de pequeno e médio porte, bandas que são muito apreciadas, as vezes por um público não mainstream, mas pelo underground. E isso só ajuda as cenas locais, com certeza. 

HMAN: Quais os planos da banda para 2015? Existe alguma previsão de tocarem pelo Rio Grande do Sul? 

Kexo: Os planos são tentar terminar os sons pro disco novo, e quem sabe ja arriscar a gravação dele pelo menos. E continuar tocando, sempre. Tocando e tomando cerveja. Cara estávamos falando disso esses dias, queremos muito voltar ai pro RS rever nossos brothers do Dying Breed e do Decimator. Se depender de nós vamos com toda certeza aparecer por aí esse ano! 

HMAN: Deixo aqui um espaço para as suas considerações finais! 

Kexo: Queria agradecer o espaço ae pra eu falar um pouco de besteira e divulgar nosso trabalho, que é tosco e mal feito mas é de coração! hahahahahaha. E lembre-se crianças "DEATH METAL FOR PASSION, NOT FOR FASHION"
  

Links Relacionados 
http://www.infamousglory.com/
 
 por Artur Azeredo

Nenhum comentário:

Postar um comentário