terça-feira, 29 de julho de 2014

Symphony Draconis "Estamos construindo nossa história..."

A Symphony Draconis, banda de Black Metal de Porto Alegre-RS, formada em 2006, em 2008 a banda lançou seu primeiro registro oficial intitulado "Inside The Horned Pentagram", contendo três faixas. Após algumas mudanças na formação em 2011, em 2013 o grupo entra em estúdio para as gravações do Debut álbum "Supreme Art of Renunciation".

Conversamos com Thiernox e Ayn sobre a trajetória da banda e o atual momento!


Como surgiu a Symphony Draconis? A banda tem uma ideologia muito forte, ligada a Cabala Draconiana, como ocorreu essa concepção ideológica?

Thiernox: A Symphony Draconis surgiu em 2005. Entre a concepção da ideia da banda e os primeiros registros oficiais passaram-se longos três anos os quais foram extremamente importantes para estabilizar a formação e criarmos uma personalidade única e que realmente nos representasse, tanto musical como ideologicamente.
O direcionamento lirico da SD sempre foi ligado ao ocultismo, satanismo, Caos... A Cabala Draconiana exerce um fascínio extra dentro de sua complexidade e hermetismo, esta além da visão simplista do satanismo ou caminho da mão esquerda propriamente dito, oferece uma viagem aos portais do abismo que poucos conhecem ou se aventuram.

Nesses nove anos de estrada, 2 registros gravados e um nome consolidado na cena, como vocês veem hoje a Symphony Draconis?

Aym: Estamos construindo nossa história, nos consideramos uma banda ainda muito nova na cena (apesar de termos integrantes experientes), de qualquer forma, o novo álbum está tendo uma ótima repercussão tanto com o público quanto com mídia especializada em metal. Buscamos fazer o melhor possível, sendo em novas produções quanto também em apresentações ao vivo. Pensamos que podemos expandir o nome Symphony Draconis ha todos os lugares possíveis.

Em 2008 lançaram seu primeiro registro “Inside The Horned Pentagram”, como vocês veem esse disco hoje?

Thiernox: Ainda hoje essa demo soa poderosa, talvez nem nós mesmos na época do lançamento tivéssemos a noção certa da representatividade dela dentro do underground. Apesar da produção mais modesta e dos poucos sons, ela elevou o nome Symphony Draconis a um patamar respeitável dentro do metal extremo e da cena Black Metal nacional, despertando interesse da imprensa e dos fãs do estilo,  abrindo portas, principalmente na região sul, para que pudéssemos tocar em grandes eventos.

Só em 2013 saiu o debut da banda “Supreme Art of Renunciation”, por que o espaço tão grande de tempo entre os lançamentos?

Aym: Ocorreram diversos motivos para que houvesse este espaço entre estes registros. Mudança de formação, o tempo que integrantes disponibilizaram para poder gravar (trabalho pessoal de cada), buscar o aperfeiçoamento em cada uma das músicas para que soassem como queríamos. Estes motivos além de todo o processo de gravação do álbum.

Como ocorre o processo de composição dentro da banda, já que há uma marca ideológica nas letras.

Aym: Geralmente alguém vem como uma idéia já estruturada e depois aperfeiçoamos em conjunto. Procuramos estar em harmonia com as letras e a musicalidade da banda, e isto nos leva a analisar todo o processo, encaixar o que queremos falar, dentro do contexto do ocultismo, com a melhor sonoridade para tal música é muito importante pra nós.

Thiernox:  Com relação a marca ideológica que você se refere, podemos dizer que nosso compromisso é unicamente com o Caos... Não temos um comprometimento conceitual restrito ou unidirecional e menos ainda nos interessa qualquer pregação ou orientação aos que ouvem nossa música. Nossa temática é o satanismo no aspecto filosófico de liberdade, averso a qualquer conceito cristão.

Como vocês veem a cena underground gaúcha hoje? E qual a opinião de vocês com relação a internet nesse espaço?

Thiernox: Atualmente vejo um renascimento da cena underground Gaucha. Nos anos 90 o RS era uma das referências nacionais do metal extremo. Sempre com shows lotados e eventos de metal sendo produzidos tanto na capital quanto nas cidades do interior. Infelizmente, por vários motivos isso deixou de acontecer nos anos seguintes, ficando a cena restrita a um número reduzido de público e com eventos escassos. Hoje em dia, fico feliz em observar esse “revival” dentro do Underground do RS. Existem excelentes bandas com um trabalho sólido e profissional que não devem nada a nenhuma banda do exterior. Os produtores de shows (com algumas exceções) estão mais atentos no que se diz respeito ao tratamento com as bandas locais e as estruturas dos eventos. Também vejo o público mais interessado em apoiar as bandas underground, comprando material e frequentando os shows. Novos selos e distros também surgem a cada dia com a intenção de apoiar a cena.  Enfim, parece que aos poucos o RS vem reconquistando seu espaço e está voltando a deixar sua Marca na cena Metal do Brasil.
  Sobre a internet como divulgação soa até bobo se posicionar contra ou a favor dela dentro do Metal. Ela está aí, isso é irreversível e cabe a cada um estabelecer a maneira certa de como usa-la. Tem o poder de levar, rapidamente, bandas do anonimato ao mainstream, assim como fazer o movimento inverso. No geral vejo muito mais vantagens do que males nessa nova era digital; as trocas de informações tornaram-se instantâneas, os contatos (nível global) estão mais próximos e as máscaras, quando existem, caem com mais facilidade, ficou mais tranquilo saber quem é quem nesse meio, o compartilhamento de arquivos de áudio/vídeo é praticamente ilimitado com um dinamismo que quase fez perder a graça o ritual de adquirir novos materiais.
O ponto negativo fica, entre outras coisas, mais pelo aspecto nostálgico e palpável da extinta era das cartas onde só permaneciam na cena e se manifestavam, quem de certa forma se doava e tinha realmente algo a dizer, era o underground na real concepção da palavra. 

Qual a expectativa para tocar no centro do Estado, em Santa Maria no Obscure Faith Festival em Agosto?

Thiernox: Santa Maria, assim como Pelotas, é uma das principais cidades do interior estado a movimentar a cena Underground. O Obscure  Faith é um festival tradicional e respeitado da cidade por onde já passaram dezenas de bandas de todo o Brasil com Shows memoráveis.
A última vez que tocamos por lá foi em 2008 e há muito tempo estamos querendo voltar. Com certeza será um excelente festival, o cast esta excelente e o público do Obscure é sempre presente e insano. Estamos ansiosos!
  
Quais os planos da banda ainda para 2014?

Aym: Estamos em processo de produção de nosso vídeo clipe oficial, esperamos aprontá-lo até o início de agosto. Temos alguns shows pré-agendados para divulgação do CD, também estamos na expectativa de confirmação de mais shows fora do eixo Sul.As datas podem ser conferidos na pagina oficial da banda no Facebook:  fb/symphonydraconis

Deixo aqui um espaço para as considerações finais da banda! Desde já agradeço a atenção e disponibilidade da banda!

Aym: Symhpony Draconis agradece pelo apoio e oportunidade ao Artur e Heavy Metal All Night, também aos seus leitores e apoiadores da cena. Sempre nos colocando a disposição para futuros contatos.

Para quem ainda não conhece, da uma conferida no som dos caras!




Links Relacionados

info@symphonydraconis.com
https://www.facebook.com/symphonydraconis
http://www.reverbnation.com/symphonydraconis
https://soundcloud.com/symphony_draconis/



por Artur de Azeredo