terça-feira, 6 de maio de 2014

Entrevista: Marcos Miller

Quando falamos em Heavy Metal, sempre pensamos na sonoridade. No entanto o Heavy Metal tem suas peculiaridades, as artes que estampam as capas dos discos são sempre emblemáticas, controversas, polemicas. Em se tratando de Metal Extremo, as coisas ficam mais obscuras e tensas, pensando na arte como um todo, e como sempre entrevistamos bandas por que não falar com alguém por traz dessa arte que é um encarte.

Por acaso acabei encontrando o blog do Marcos Miller, ilustrador gaúcho,
que já fez trabalhos para bandas como Tierramystica, The Jokke, Mental Horror, Decimator entre outras. Recentemente Marcos
Miller participou de um projeto da Lenovo, juntamente com outros ilustradores, foi elaborado um “Guia de Sobrevivência para Situações Improváveis”. Com o objetivo de demonstrar o quão improvável que um computador, da respectiva marca, de problema, quanto um ataque zumbi, uma invasão alienígena ou uma rebelião das maquinas.

Conversamos um pouco com Marcos sobre seu trabalho, Heavy Metal e muito mais! Confiram!

Como surgiu o interesse pelas capas de discos e como se envolveu com esse tipo de arte especificamente?

Tierramystica - A New Horizon
O interesse veio do próprio Heavy Metal. Os álbuns do Iron Maiden com a arte do Derek Riggs marcaram muito. Não me cansava de olhá-los a procura de detalhes, a procura da assinatura do artista. Mas tudo que diz respeito a desenho me interessa, principalmente os temas ilustrados na maioria das capas de bandas de Metal.
Sempre tem alguém que "desenha" num determinado grupo, eu era um desses. Dessa forma comecei a fazer os primeiros desenhos para bandas de amigos e conhecidos. Como não sou músico, desenhar era a única forma de fazer algo dentro do Metal. 

A quanto tempo faz esse trabalho, tem ideia de quantas capas já desenhou, entre elas qual a sua favorita ou a que deu mais trabalho?

Acho que a primeira capa que fiz para uma demo tape foi em 1998 e a primeira capa para Cd foi em 1999, mas muito antes disso eu já desenhava assuntos relacionados. Meu primeiro desenho com o tema "Eddie" fiz ainda "pirralho" em 1986.
Não tenho muitas capas, o número deve ser algo em torno de 15. A que deu mais trabalho foi para a banda Cement Rain. Eu gosto bastante dessa ilustração porque foi divertida de fazer. Todos as capas dão trabalho, cada uma tem suas características e métodos. Normalmente as pessoas/clientes não conhecem os bastidores e acham que desenhar é algo fácil, que eu faço brincando, porém isso não é verdade.

Qual a sua forma de trabalho, você estuda o disco antes, houve as faixas, para começar a trabalhar? Como funciona o processo?

The Jokke - The While Flames Burn
Nem sempre o álbum está pronto, mas acho legal escutá-lo. As vezes o Metal não é a música mais perfeita para trabalhar, e o silêncio se faz necessário em determinados momentos. Eu prefiro que a banda me traga idéias, mas é sempre possível ilustrar algo a partir do nome do álbum ou das faixas. Em meio a isso pode rolar um "brainstorm" entre artista e banda, resultando em novas ideias.

Você trabalha com tela, tinta ou apenas desenho digital?

Digital. Desenho normalmente num tamanho equivalente a capa de vinil.

Como você vê a importância da capa, de uma arte condizente com a sonoridade, na contextualização do disco?

Acho que o desenho conta um pouco da história que o álbum trás, complementa, amplifica ideias. Ainda há capas que nos dizem uma coisa e o álbum outra. Isso também é interessante, pois quebra um paradigma. Eu sou também um consumidor, gosto de capas que nos faz ficar olhando, analisando, portanto, para mim, a importância está ligada a esse tipo de interação.

Suas capas são bem detalhistas, em quais artistas você se inspira? Quais as suas capas favoritas?

Curto: Giger, Bosch, Bruegel, Dan Seagrave, eles sempre me surpreendem. O Edrepka e Derek Riggs são outros que marcaram. É difícil lembrar e listar todos há muitos. Algumas capas que curto bastante: Somewhere in Time, To Megatherion, As The Flowers Withers, The Mob Rules, Gateways to Annihilation.

Para qual banda você ainda gostaria de fazer uma arte?

Mental Horror - Blemished Redemption
Eu poderia listar todas as bandas que curto. É difícil de escolher. Há bandas que se destacam por possuírem um personagem que as representam como o Eddie, Rattlehead, Snagletooth. Deve ser gratificante desenhá-los.

Como você esse mercado hoje, cada vez mais bandas surgem, e a de manda por uma arte de qualidade aumenta na mesma proporção.

Sempre haverá alguém que desenha para suprir a demanda, há centenas de desenhistas competentes, antigos e novos. Eu não vejo muita diferença no mercado, pois continuo fazendo desenhos para pessoas próximas.

Falando em trabalho, como surgiu esse projeto da Lenovo esse “Guia para Situações Improváveis”?

Esse é um trabalho para a publicidade, eu apenas executo as ideias que me são passadas. Nem sempre estou por dentro dos bastidores de como a coisa funciona ou surge. O tema abordado foi legal, havia até zumbis decompostos.

Em termos de sonoridade, qual suas bandas favoritas? Qual a melhor sonoridade para desenvolver um trabalho?

Decimator - Bloodstained
São muitas bandas. Tem as antigas: Accept, Metal Church, Bathory, Savatage, King  Diamond... A fase 90: Bolt Thrower, My Dying Bride, Carcass, Morbid Angel, Miasma. Cara é difícil lista-las.
Metal é empolgante! Penso que combina muito bem para quem vai trabalhar numa tela com materiais convencionais, onde a força e a intensidade que se manuseia as ferramentas ficam marcados na tela/obra. No meu caso, que trabalho 99% digital, o metal funciona bem na hora de esboçar uma ideia. Há momentos que o metal não funciona no trabalho e precisamos ficar em silêncio ou escutar algo muito leve que descanse a mente. O metal é perfeito para a madrugada, quando estamos de virada trabalhando. O som mantém o cara acordado e empolgado. Talvez, somente o Metal consiga isso!

Deixo aqui um espaço para suas considerações finais! Desde já agradeço a atenção!

Artur, grato pela divulgação, vida longa ao Metal All Night. Grande abraço!


Trabalho mais recente.


Eu que agradeço a disponibilidade e atenção! Apreciem a obra do Marcos Miller sem moderação!



Links Relacionados


Blog: nauseaimage.blogspot.com (alguns trabalhos)



Stay Heavy!


por Artur de Azeredo