terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Apoteom



Apoteom é uma banda de Thrash Metal formada em Santa Maria, RS em 2010. A banda iniciou como um projeto em Caçapava do Sul no ano de 2007, com os amigos Pedro Ferreira e Mauricio Tôrres, com o intuito de trabalhar em composições próprias. Em 21 de novembro de 2010 em Santa Maria já com a formação completa a banda inicia os ensaios e a seleção das musicas para gravar o primeiro álbum. Em 2012 a banda fez vários shows pelo Rio Grande do Sul, e gravou o primeiro disco intitulado “Alienation”.
O álbum foi lançado digitalmente em parceria com a CD Baby no dia 04 de Outubro de 2013. Já o CD físico foi lançado em 25 de Dezembro de 2013 com o selo MS Metal Records e distribuição pela Voice Music.
A banda conta com Pedro da Silva Ferreira (Vocal/Guitarra), Mauricio Tôrres Dorneles (Baixo/Vocal de apoio), André Gonçalvez Licht (Guitarra/Vocal de Apoio), Pablo Perreira de Castro (Bateria).
Conversamos com Pedro Ferreira, sobre o futuro da banda e a repercussão de “Alienation”.


Quando a Apoteom se formou, vocês já tinham ideia da sonoridade que seguiriam ou foi tudo fruto das influências de cada membro da banda?

 Tínhamos uma base do que seria, pois a Apoteom surgiu com o fim da banda Cérbero que tocava covers de clássicos do Thrash Metal em 2007, na qual eu e o Maurício participávamos.  Decidimos seguir eu e o Mauricio em um novo projeto onde nos dedicaríamos apenas a músicas autorais, sendo que no começo a influência principal eram as bandas que tocávamos na Cérbero. Então só com tempo as influências foram indo em uma direção mais ampla. No início era o clássico Thrash Metal dos anos 80 que nos movia. 

Falando em influências, quais bandas vocês citariam como principais, entre os membros da banda? 

Nossas influências são diversas, todos temos influências distintas, mas eu diria que de um lado temos eu e o André com influências mais fincadas no Thrash, enquanto o Maurício e o Pablo possuem uma veia mais melódica e progressiva. Apesar de sermos quatro caras diferentes é óbvio que temos muitas influências em comum também, e quatro bandas que nos definiriam de uma forma bem direta e clássica na ordem em que eu citei a divisão de influências seriam: Metallica, Testament, Iron Maiden e Dream Theater.

A sonoridade da Apoteom remete muito há essa nova onda do Thrash Metal Americano, vocês tinham como objetivo essa sonoridade mais moderna, aliando vários elementos do Heavy Metal? 

Foi algo construído ao longo do tempo. Eu me lembro do início da década de 2000, foi uma época muito marcada pelo chamado “Nu Metal” ao qual não me agradava muito, por isso preferia ficar com os clássicos dos anos 80 e 90. Porém a partir de 2007 o Maurício começou a me apresentar algumas novidades da chamada New Wave of American Heavy Metal. Bandas como Trivium, Lamb of God, Chimaira, por exemplo, eram bandas que conseguiam transmitir essa energia totalmente nova e empolgante. Então com o tempo fomos abrindo os olhos ao que havia de melhor no Metal Contemporâneo sem deixar de beber da fonte original.


Falando um pouco do “Alienation”, como se deu o processo de composição do álbum e como isso ocorre dentro da Apoteom?

 Bem, como éramos apenas eu e o Maurício no início de tudo, as composições se davam em torno dos riffs que eu criava, e então o Maurício me ajudava a montar os esqueletos usando um programa de computador criando os andamentos de bateria. Depois já com o André e o Pablo na banda começamos a transformar esses esqueletos em músicas, com as melodias e solos do André, e as dinâmicas da bateria do Pablo. Ao mesmo tempo eu ia escrevendo as letras.

O álbum físico só chegou no final de 2013, mesmo assim vocês já tem ideia da repercussão desse trabalho, enquanto a aceitação como tem sido o retorno do público?

 Creio que tem superado nossas expectativas, apesar de ter sido lançado recentemente temos acompanhado pela internet e estamos vendo que nosso álbum tem chegado ao ouvido de muita gente ao redor do mundo, o que não esperávamos de forma tão rápida. E a aceitação está sendo muito boa, muita gente tem se referido a originalidade da banda, então tudo tem sido muito positivo neste início de jornada. 

Existe algum conceito por trás de” Alienation”, qual seria a temática central do álbum, qual a mensagem por trás de “Alienation”?

 No início não pensávamos em um álbum conceitual, mas acabou sendo no final. Eu comecei a escrever sobre alguns pontos de reflexão, e questionamentos que vemos diariamente e nos inquietam no mundo.  Então quando eu já tinha um bom número de letras percebi que existia algo gritante em comum em todas, que era essa questão de o quanto somos “alienados” diante tudo. Então a Alienation foi à última música a ser composta, e deu nome ao álbum.

Pra vocês qual o papel da internet, hoje nesse processo, banda, público? 

Tem um papel fundamental sem dúvidas. A internet é o que move e promove hoje artistas da forma mais pura e original. Se antes o Mainstream forçava bandas menores a trocar fitas cassetes por que não tinham como pagar o famoso “jabá” das rádios ou por não se enquadrarem em um perfil, hoje todo mundo pode acessar e conhecer com facilidade e velocidade o que se procura. O alcance sem dúvida é muito maior e mais rápido. Mas é importante ficar atento, e procurar trabalhar sempre da forma mais profissional possível. Pois se antes era difícil divulgar, hoje com a facilidade da internet se tem mais bandas do que demanda muitas vezes. Então é preciso muito trabalho e seriedade a uma banda para formação de público.

Quais os planos da Apoteom para 2014?
 
Estaremos até setembro fazendo shows e promovendo nosso álbum. Existe planejamento para uma turnê para o meio do ano em parceria com outras bandas que no momento não podemos revelar, mas será algo grande e muito bacana. A partir de setembro estaremos começando a produção do nosso segundo álbum, pois já temos um bom número de músicas e aos poucos vamos trabalhando e dando forma a esse material novo.  Mas o foco de 2014 é tocar e promover o Alienation.

Deixo aqui um espaço para as considerações finais da banda!

Gostaríamos de agradecer primeiramente a oportunidade nos dada aqui para falarmos um pouco do nosso trabalho, e agradecer a todos que de alguma forma estão envolvidos nessa caminhada com a banda, família, amigos, produtores, nossa assessoria de imprensa, e ao público que tem se formado e nos apoiado desde o inicio da nossa jornada. Nosso muito obrigado a todos e um grande abraço. Que 2014 seja um ano repleto de conquistas e sucesso!





Longa vida a Apoteom, agradeço a disponibilidade e o interesse do Pedro Ferreira em nos procurar, espero que tenham curtido!


Links da banda:



Stay Heavy!


por Artur de Azeredo